A ACS busca o reconhecimento dos envolvidos no Acidente com o Césio 137

A Associação de Cabos e Soldados da Polícia e do Corpo de Bombeiros Militar de Goiás, está participando da programação Césio 30 anos: Eu também sou vítima, que acontece em Goiânia de 12 de setembro a 21 de outubro. Ontem, 12 de setembro, foi realizado o Seminário Césio 137 – 30 anos: Questões atuais sobre a saúde e os direitos das Vítimas, nas ASMEGO, onde estava presente o Presidente da ACS, Sargento Gilberto Cândido de Lima, representantes da Associação de Vítimas do Césio, da ACIEC, da ANTIPEN, da XÔ Nuclear e outras entidades antinucleares.

Vários especialistas participaram das Conferências trazendo informações imprescindíveis para a manutenção da luta em favor das vítimas do acidente, dentre eles destacamos a Dra. Fernanda Giannasi, Dra. Erica Barbosa C.F. de Souza, Chico Whitaker, Dra. Maria Vera C.O. Castellano e Dr Geraldo Henrique M. da Silva. Mas quem falou mais fundo ao coração dos presentes foi a senhora Junko Watanabe, sobreviventes da Bomba Atômica de Hiroshima e de Nagasaki no Japão.

Ela compartilhou com os presentes suas memórias familiares sobre aquele agosto de 1945 quando os Estados Unidos lançaram as duas bombas sobre as cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki, apesar de ter apenas dois anos à época sua história de vida foi marcada pelo trágico acontecimento, fazendo com que se tornasse uma militante antinuclear.

Suas histórias se confundiram com as das vítimas do Césio, provocando uma viagem àquele setembro de 1987, onde a Capital do Estado de Goiás tornou-se mundialmente conhecida devido ao acidente com o Césio 137. Junko recebeu uma camiseta da ACS simbolizando a participação de centenas de militares na contenção e na remoção de todo material radioativo.

Hoje (13) na Assembleia Legislativa em Goiânia, durante Audiência Pública sobre o Acidente, a sobrevivente da bomba atômica veio vestida com a camiseta que ganhou ontem na ASMEGO, emocionando a todos da ACS e ressaltando a importância de continuar a luta pelo reconhecimento de todos os militares envolvidos no Acidente com o Césio 137.

No final do evento, mais uma vez, Junko deixou sua mensagem de paz presenteando a todos da mesa com um colar de Tsurus em origami, pássaro japonês da longevidade. Que ficou associado à luta pela paz quando a pequena Sadaku, que desenvolveu leucemia 10 anos após ser vítima do bombardeio em Hiroshima, tentou fazer mil Tsurus na esperança de ser curada. A menina não resistiu, morreu antes de completar o número pretendido, mas sua mensagem espalhou-se mundo afora e hoje o pequeno pássaro de papel é o maior símbolo na luta antinuclear.

Sensibilizada com todas as participações das vítimas no Seminário e na Audiência a Associação de Cabos e Soldados da Polícia e do Corpo de Bombeiro Militar de Goiás quer resgatar a história de todos os heróis anônimos que colocaram suas vidas em risco para proteger uma população inteira. Procure a ACS, compartilhe sua experiência, ajude-nos a preservar esse grande ato de amor ao próximo manifestado por todos aqueles homens e mulheres que trabalharam arduamente para impedir uma tragédia ainda maior.

Confira mais sobre o assunto no site e no face da Articulação Antinuclear Brasileira:

https://www.facebook.com/ArticulacaoAntinuclearBrasileira/

http://brasilantinuclear.ning.com/