Rotam liberta mulher de cativeiro

A Equipe do ROTAM 90 durante patrulhamento na região do Perim recebeu o pedido de socorro de uma mãe que a mais de um ano não via a filha e desconfiava que ela estava sendo mantida em cativeiro, de posse do endereço de onde possivelmente a jovem se encontrava, a equipe resolveu averiguar.

No local encontrou D.V.A.R dentro de um quarto, cheia de hematomas, edemas, equimose, cortes por todo o corpo, muito debilitada e ainda sem comer a dois dias. Além de todo o maltrato ela era forçada a manter relações sexuais sem seu consentimento.

Diante do quadro repugnante de tortura, abuso sexual e cárcere privado os policiais, após prestar socorro à vítima, foram atrás do responsável, que logo foi localizado na casa da mãe dele embalando drogas e ainda portando um revólver calibre 38.

G.R.G.C possui várias passagens por furto, roubo e tráfico de drogas e vinha mantendo a companheira em cárcere privado a mais de um ano, torturando, abusando e deixando ela passar fome. Foi preso em flagrante e conduzido para a Delegacia da Mulher onde foi autuado pelos crimes de porte ilegal de arma de fogo, tráfico de drogas, lesão corporal, injuria, ameaça e cárcere privado.

Apesar de chocante, a realidade vivenciada por esta jovem é muito comum no Brasil. Nos últimos anos o número de denúncias de cárcere privado vem crescendo, chegando a mais de 300% nas centrais de atendimento à mulher. São cerca de 11,8 registros por dia, aponta os dados da Secretaria de Políticas para as Mulheres do Governo Federal.

Neste aspecto a participação da Polícia Militar é imprescindível, pois permite que as denúncias feitas por parentes e vizinhos possam ser averiguadas em tempo real, retirando do cativeiro mulheres que de outra forma não teriam acesso a um meio de comunicação para pedir socorro.

No caso especifico dessa jovem mulher, o abusador ainda era um infrator da sociedade, traficante e ladrão, responsável por muitos crimes, mas infelizmente, devido a morosidade e inépcia do nosso sistema penal, estava solto.

Fica aqui os nossos sinceros agradecimentos a estes guerreiros, que além de exercer com galhardia a função para qual são destinados, são transformadores, protetores sociais e heróis, ao menos para esta mãe, que no auge do desespero, viu naquela viatura o seu último recurso e teve seu pedido de socorro atendido prontamente.

 

 

Deixe um comentário